Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Maquina do Tempo

Maquina do Tempo

15
Out17

Há 28 anos

João Pedro

Jogo das Cartas (1989-1990)

 

Exibição:
18/09/1989 – 14/09/1990 (RTP 1)

 

Número de sessões:
232

Apresentação:
Nicolau Breyner

Assistentes:
Felipa Garnel
Maria João Lopes

Inquéritos:
Marktest

Produção:
Piedade Maio
José Montalvão

Realizador:
Manuel Ruas

Produzido em associação com:
Mark Goodson Productions
Fremantle International, Inc.

 

Eis um concurso que, não obstante a manifesta simplicidade das suas regras, empolgava avós e netos em frente ao televisor todos os fins de tarde.

 

Jogo de Cartas era composto por duas partes. Na primeira, havia dois concorrentes, começando o desafio com uma pergunta feita por Nicolau Breyner, cuja resposta consistia sempre num número. Um dos concorrentes respondia e o outro dava o seu palpite sobre se o número correto seria superior ou inferior a esse, ou seja, “para cima” ou “para baixo”. Se acertasse, seria o primeiro a “jogar às cartas”, adivinhando, numa sequência de cartas dispostas num placar, se a seguinte seria de importância superior ou inferior à que se encontrava visível, ou seja, “para cima” ou “para baixo”. À medida que o jogo se ia desenrolando, os concorrentes iam acumulando pontos, convertíveis em dinheiro, passando à segunda parte o concorrente vencedor. Este concorrente também teria o direito de participar na sessão seguinte do programa.

 

 

 Baseado no formato americano Card SharksJogo de Cartas estreou na RTP em 1989 e esteve no ar durante um ano, nos fins de tarde da RTP 1.

 


As assistentes Felipa Garnel e Maria João, carinhosamente batizadas de Pipinha e Janeca, tornaram-se muito populares na altura.


Gritos de guerra como “Para cima!” ou “Para baixo!” também faziam as delícias dos telespectadores.


Jogo de Cartas teve vários momentos altos:

- Em certa ocasião, uma concorrente delira com um berbequim, dizendo ser este um eletrodoméstico de que “gosta muito”.

- Outra concorrente implora mais pontos a Nicolau Breyner, alegando, sem sucesso, ter a certeza de que ele lhe dará uma quantidade superior à que era atribuída a todos os finalistas.

- Outro momento memorável é aquele em que o apresentador pergunta à assistência se se importa de o ver com óculos escuros. Como ninguém tem nada a opor, Nicolau Breyner não tira os óculos escuros e assim permanece até ao fim do programa.

- Por fim, no último Jogo de Cartas é mostrada a assistência pela primeira e única vez, numa emocionante despedida do apresentador e das suas assistentes, Pipinha e Janeca.


Em 1991, Jogo de Cartas voltou às emissões da RTP, desta vez no horário da manhã, conduzido por Serenella Andrade e gravado nos estúdios do Porto.


No verão de 2007, a RTP produziu um programa intitulado Superconcurso – Jogos de Sempre, cujo objetivo era recordar os concursos mais marcantes da nossa televisão. Uma das sessões foi preenchida com o Jogo de Cartas.

Foram exibidos depoimentos de Nicolau Breyner, Felipa Garnel, Maria João Lopes e Serenella Andrade.


Chegar Apostar e Vencer (1989-1990)

Exibição:
17/11/1989 – 30/03/1990 (RTP 1)

 

Número de sessões:
20

Autoria:
Pedro Varanda de Castro

Apresentação:
Rui Mendes
Conceição Lino

Realização:
Carlos Coelho da Silva

Produção:
Telecine

 

Chegar, Apostar e Vencer tem como objetivo testar a criatividade e a capacidade de improvisação dos portugueses. Os concorrentes candidatam-se descrevendo as tarefas para as quais julgam possuir dons especiais. Estas tarefas podem passar por simples provas de memória, conhecimento, resistência física ou execução de habilidades.

Um concorrente perito em colocar discos com os pés

As “proezas” são testadas por um júri de seleção e os que passam neste exame não têm a vida facilitada durante a emissão. Aí, o timing das provas é imposto pelo concurso, e não deixado ao livre arbítrio dos concorrentes, que se vêem, assim, obrigados a tentar ultrapassar os seus próprios recordes.

 

Pedro Varanda de Castro, autor deste concurso, ficou conhecido pelas suas intervenções no programa Às Dez, com a rubrica “Ideias e Negócios”, que mais tarde ganhou vida própria na RTP 2.

 


Chegar, Apostar e Vencer foi exibido às sextas-feiras ao final da tarde, dia em que o Jogo de Cartas não ia para o ar.


A apresentação esteve a cargo de Rui Mendes e da então estreante Conceição Lino, que já trabalhava como locutora de rádio.


Rui Mendes já tinha tido algumas experiências como apresentador de concursos, nomeadamente em Écran Mágico (1979) e também na primeira sessão de O Nosso Século (1988/1989), concurso que a cada semana tinha um apresentador diferente.


Uma das prestações mais marcantes foi, sem dúvida, a de Agostinho Moreira, que conseguia – imagine-se – cortar pregos com os dentes! O feito chegou mesmo a suscitar a desconfiança dos telespectadores quanto à sua autenticidade…


No último programa, foram recordados os melhores momentos e os apresentadores leram também propostas enviadas para o concurso, mas que não chegaram a ser selecionadas, algumas por motivos óbvios:

- “Eu e uma colega minha apostamos que conseguimos vestir um morto em oito minutos.”

- “Dou 30 arrotos em um minuto.”

- “Consigo dar gritos verdadeiramente ensurdecedores e estridentes e, como não possuo meios de medir os decibéis que os meus gritos conseguem atingir, penso que da vossa parte poderia surgir uma ideia para uma aposta.”

Clube dos Subscritores (1989-1990) 

Exibição:
23/10/1989 – 31/07/1990 (RTP 1)

 

Número de programas:
41

Apresentação:
Serenella Andrade
Mário Figueiredo
Sérgio Figueira

Música do genérico:
Fernando Fallé
José Marinho

 

Clube dos Subscritores é um concurso para o qual estão habilitados todos os telespectadores cujo televisor esteja registado, desde que tenham a taxa de televisão em dia.

 

Semanalmente, são feitos 5 sorteios, em que os prémios são vídeos, televisores, motorizadas e automóveis.


Caso o prémio saia a um subscritor que não tem o seu registo em dia, o seu nome não é revelado e, para ter acesso ao prémio, terá de provar que a sua situação estava regularizada antes do sorteio. Caso não o faça, o prémio será entregue a um suplente (são sorteados 10).

Também os comerciantes de televisores têm direito a prémio: uma viagem ao México para duas pessoas, durante 10 dias.

Um casal de comerciantes açoriano, visivelmente entusiasmado com o prémio ganho

Os sorteios são intercalados com momentos musicais, a cargo de convidados que atuam no salão de festas.

Os Ministars no salão de festas

  

 

1. António Pinto Basto (23/10/1989)
2. Vitorino (30/10/1989)
3. Rão Kyao (06/11/1989)
4. Rádio Macau (13/11/1989)
5. Teresa Maiuko (20/11/1989)
6. Nuno da Câmara Pereira (27/11/1989)
7. Sétima Legião (04/12/1989)
8. José Cid (11/12/1989)
9. Coro Infantil de Santo Amaro de Oeiras (18/12/1989)
10. Coro de Lisboa da Rádio Renascença (26/12/1989)
11. Jorge Fernando (02/01/1990)
12. Lena d’Água (08/01/1990)
13. Romanças (15/01/1990)
14. Ministars (22/01/1990)
15. José Alberto Reis (29/01/1990)
16. Jorge Palma (05/02/1990)
17. Rovit & May (12/02/1990)
18. Bonga (19/02/1990)
19. Climie Fisher (26/02/1990)
20. Eugénia Melo e Castro (05/03/1990)
21. Fernando Machado Soares (12/03/1990)
22. Midus (19/03/1990)
23. Samuel e Maria do Amparo (26/03/1990)
24. Duo Broa de Mel (02/04/1990)
25. Maria Viana (09/04/1990)
26. Afonsinhos do Condado (16/04/1990)
27. Coro da Casa do Pessoal da RTP (23/04/1990)
28. Valdemar Bastos (30/04/1990)
29. Ilda de Castro (07/05/1990)
30. Gabriel Cardoso (14/05/1990)
31. Paco Bandeira (21/05/1990)
32. Os Helena, Toy e Nucha (28/05/1990)
33. Marco Paulo (04/06/1990)
34. Maria Guinot (11/06/1990)
35. Clemente (18/06/1990)
36. Armando Gama e Valentina Torres (25/06/1990)
37. Fernando Correia Marques (03/07/1990)
38. Luís Bettencourt (10/07/1990)
39. Conjunto de Carlos Araújo (17/07/1990)
40. Trio Odemira (24/07/1990)
41. Da Vinci (31/07/1990)

  

Alguns anos antes, já haviam existido outros concursos também criados com o intuito de incentivar ao pagamento da taxa de televisão. Foi o caso de TV Cor (1980/1981) e Ou Vai ou Taxa (1981).

 


Quando o Clube dos Subscritores se estreou, a taxa de televisão ascendia a 3.500$00 (cerca de 17,50 euros).


A divulgação dos subscritores premiados era feita no programa e também na TV Guia.


No decorrer do programa, era também anunciada uma campanha conjunta da RTP e da companhia de seguros Império – “Registo feito, equipamento seguro” –, para televisores comprados e registados entre 15/06/1989 e 15/06/1990.


No início de 1990, o primeiro-ministro Cavaco Silva anunciou o fim do pagamento da taxa de televisão. Sendo o Clube dos Subscritores um concurso que vivia da taxa e do seu atempado pagamento, Mário Figueiredo exigiu a presença no programa de um responsável da RTP que esclarecesse os telespectadores sobre a medida governamental e a sua entrada em vigor.

No entanto, a RTP esquivou-se a prestar qualquer esclarecimento sobre o assunto e deu instruções ao apresentador para que fizesse o programa como se nada se passasse. Mário Figueiredo recusou-se a participar na emissão e deixou o lugar à disposição, tendo sido sumariamente dispensado por José Eduardo Moniz.

Assim, a emissão de 19/02/1990 foi para o ar apenas com a presença de Serenella Andrade, que não mostrou qualquer sinal de solidariedade com o colega.


Posteriormente, Mário Figueiredo foi substituído na apresentação do concurso por Sérgio Figueira.


O programa foi exibido à segunda-feira mas, em julho, passou para a terça.

 

De Cor e Salteado (1989-1990)

 

Exibição:
28/10/1989 – 05/05/1990 (RTP 1)

 

Número de sessões:
26

Apresentação:
José Jorge Duarte
Carlos Freixo

Tema musical:
Sigfried Sugg

Produção:
Mary Van-Dúnem

Realização:
Marques Pinto

 

De Cor e Salteado é um concurso que coloca frente a frente dois pares de concorrentes, provenientes de diferentes escolas. Em cada sessão, são disputadas duas eliminatórias e uma final.

 

Cada dupla tem a seu cuidado uma parede composta por blocos de diversas cores e, no topo, por tijolos dourados.

A cada cor corresponde um prémio diferente, que pode ser conquistado mediante o atirar de dois blocos da cor em questão. Existe ainda um prémio desconhecido no bloco mistério.






Os concorrentes são desafiados a responder acertadamente a uma pergunta, o que lhes permitirá derrubar dois blocos da cor sorteada por um painel eletrónico.

Se não o conseguirem fazer no espaço de 10 segundos, sujeitam-se a um bombardeamento de sacos de feijão por parte da equipa adversária. Caso um dos tijolos dourados caia ao chão, a equipa fica automaticamente eliminada.

Se sair uma cor que, ao ser derrubada, coloque em risco a estabilidade da parede, é possível passar o jogo à outra equipa. Esta, se também não pretender derrubar a cor escolhida, pode, ainda assim, prosseguir com o jogo derrubando o bloco Joker, livrando-se deste modo dos sacos de feijão.

Para além dos prémios alocados a cada cor, todos os concorrentes recebem um prémio de participação (relógio) e a equipa vencedora leva, para a sua escola, um prémio especial (um computador ou um televisor a cores).

 

De Cor e Salteado foi exibido aos sábados, entre 1989 e 1990. Inicialmente, a apresentação esteve a cargo de José Jorge Duarte, que acumulava este concurso com o espaço infantil das manhãs de fim-de-semana, Juventude e Família.

 

José Jorge Duarte

Com as mudanças ocorridas na programação em abril de 1990, José Jorge Duarte assumiu funções de apresentação no espaço A Hora do Lecas, de segunda a quinta, e no Juntos e ao Vivo, à sexta, passando a pasta do De Cor e Salteado para Carlos Freixo.

Carlos Freixo

O concurso foi baseado num formato adquirido à produtora britânica Chatsworth Television

08
Out17

Há 6 anos

João Pedro
Velhos Amigos
Informação geral
FormatoSérie
Duração± 45 min.
Criador(es)Cláudia Chéu
Ana Morgado
País de origemPortugal Portugal
Idioma originalPortuguês
Produção
Diretor(es)Ana Nave
Patrícia Sequeira
ElencoLuís Alberto
Orlando Costa
João Maria Pinto
Miguel Jesus
Exibição
Emissora de televisão originalRTP
Transmissão original25 de setembro de 2011 - 28 de abril de 2012
N.º de temporadas1
N.º de episódios26

 

Os Compadres
Informação geral
FormatoSérie
Criador(es)Nicolau Breyner
País de origemPortugal Portugal
Idioma originalPortuguês
Produção
Produtor(es)RTP1
ElencoNicolau Breyner
Ana Zanatti
Fernando Mendes
Rosa do Canto
Exibição
Emissora de televisão originalPortugal RTP1
Transmissão original24 de Setembro de 2011 - 14 de Abril de 2013
N.º de temporadas2
Cronologia
Programas relacionadosNico D'Obra

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub